11/01/1999

Pílula para emagrecer chega ao Brasil

Maria Elisa Alves

A mais nova promessa da indústria farmacêutica para os gordinhos que vivem às voltas com dietas sem conseguir emagrecer chegará às drogarias brasileiras amanhã. O Xenical, primeira droga a combater a obesidade sem interferir no sistema nervoso central, consegue eliminar do organismo 30% da gordura - grande responsável pelo aparecimento dos indesejáveis pneus em volta da cintura - dos alimentos ingeridos. A Roche, fabricante da pílula do emagrecimento, importou da Suíça para o Brasil 500 mil caixas do medicamento, mas não promete milagres. O Xenical não é um passe-livre para uma vida repleta de milk shake e batata frita. Para aumentar a eficácia do remédio, ele deve ser acompanhado por uma alimentação balanceada e, de preferência, associada à prática de exercícios físicos.

Os gordinhos que querem perder peso podem se perguntar por que gastar R$ 193,80 por uma caixa com 84 comprimidos, ou R$ 108,14 por uma caixa com a metade das pílulas, se terão que seguir a velha e enfadonha dieta tradicional, com muita alface, tomate e nada de picanha ou tortas de chocolate. Uma das respostas está no efeito posterior do medicamento: pesquisas com o Xenical indicaram que ele ajuda a evitar o "efeito-sanfona". Os pacientes que o usaram, associados a uma dieta, recuperaram, em média, apenas um terço do peso perdido. Aqueles que fizeram regime sem tomar o remédio ganharam de volta mais da metade dos quilos que tinham perdido. O endocrinologista Walmir Coutinho tem mais uma resposta:

- O remédio ajuda a educar para uma dieta mais saudável. Se o paciente exagerar nos alimentos gordurosos, poderá ter diarréia. Um paciente me contou que ficou 20 minutos no banheiro de uma churrascaria após ter exagerado no almoço. O Xenical tem este efeito Dostoievsky de crime e castigo - brinca Coutinho.

Pelos estudos realizados até agora, o único inconveniente do Xenical é a incontinência fecal, que ocorre em alguns pacientes no início do tratamento. No resto, o remédio só tem vantagens: como não é praticamente absorvido pelo organismo, não tem efeitos colaterais significativos.

- Os pacientes têm um aumento no número de evacuações diárias. Mas o remédio é praticamente isento de efeitos colaterais - avalia o endocrinologista Amélio Godoy, da Associação Brasileira de Estudo da Obesidade.

A pílula do emagrecimento age de maneira diferente de todos os remédios existentes até agora. Ao contrário dos demais, o Xenical não interfere no sistema nervoso central, livrando o gordinho de ansiedade, mau humor ou taquicardia. O mecanismo de ação da droga, descoberta após dez anos de pesquisa, é relativamente simples. O Xenical inibe a ação da enzima lipase, responsável pela digestão das gorduras. Normalmente, a enzima "quebra" toda a gordura ingerida, que acaba se acumulando em volta da cintura, caso a pessoa não faça exercícios regularmente ou controle a alimentação. Com o medicamento, a enzima não consegue fazer o mesmo trabalho e deixa 30% da gordura ingerida intacta. Com isso, em vez de absorvida pelo organismo, ela é eliminada.

Parece quase perfeito? Nem tanto. Pacientes com doenças inflamatórias intestinais, como retrocolite ulcerativa ou a doença de Crhon, devem se manter longe do medicamento.

- Os portadores destas duas doenças são geralmente magros, até por causa da patologia, e dificilmente precisariam do medicamento - minimiza Martha Penna, gerente médica da Roche.

O laboratório Roche importou 500 mil caixas de Xenical e deverá importar mais um lote em meados de março. Apesar da grande quantidade de remédio, nem toda pessoa insatisfeita com o próprio corpo terá acesso à pílula da obesidade. O Xenical, que já está sendo usado na Áustria, Inglaterra, França, Alemanha e Argentina, entre outros países, só será vendido com apresentação da receita médica, que ficará retida na farmácia. A exigência de controle médico é uma tristeza para quem quer perder três quilos, mas ótima para a saúde.

- Se a pessoa precisa perder cinco quilos, não está dentro do grupo que precisa de remédios para emagrecer - diz Godoy.

Nem mesmo o fabricante recomenda o remédio nos casos de pouca perda de peso. A Roche diz que o Xenical é especialmente eficaz para quem tem um Índice de Massa Corpórea (IMC) igual ou superior a 30. Ou para quem tem um índice de 28, mas com hipertensão, colesterol ou diabetes. Para calcular o IMC, basta dividir o peso pela altura ao quadrado. O resultado da divisão dá o coeficiente de IMC.

O IMC do arquiteto Paulo Fortes, que mede 1,76m e está pesando 96 quilos, é 30. Paciente ideal para o Xenical, ele começou a usar a droga antes mesmo de sua chegada oficial ao Brasil. Comprou o remédio em uma loja que o importa e começou a usá-lo na semana do Natal, ansioso para chegar aos 66 quilos. Apesar de ter tido problemas intestinais após comer linguiças em um churrasco, não se arrependeu:

- É mais fácil emagrecer com o remédio. Perdi um quilo em uma semana, comendo quase normalmente - diz ele, com a experiência de quem já perdeu 30 quilos sem Xenical.

Fonte: O Globo - RJ - 11.01.99



 
[ Bom Dia Unimed ]  [ Comitês ]  [ Diretoria On-Line ]  [ Espaço Jurídico ]
[ Intrabanking ]  [ Mapa Uniweb ]  [ Nossa Estrutura ]  [ Publicações ]
[ Regulamentação ]  [ Últimas Atualizações ]

Notícias

 

 

03/11/2004

Médicos do Sul de Minas aprendem as técnicas modernas de cirurgia de catarata

Atleta de canoagem assina contrato de patrocínio com Unimed Florianópolis